- Counter-Currents Publishing - http://www.counter-currents.com -

A Política da Guerra Nuclear, Parte 2

Posted By John Morgan On December 16, 2012 @ 6:13 am In North American New Right | Comments Disabled

[1]3,423 words

Parte 2 de 3

Inglês original aqui [2]

As Bombas Sionistas e Islâmicas

O foco principal de Como o Fim Começa: O Caminho para uma Terceira Guerra Mundial Nuclear, de Ron Rosenbaum, é Israel. Essa é a parte mais interessante e bizarra do livro. Os pontos fracos do estilo editorial de Rosenbaum tornam-se aparentes quando ele perde a calma sempre que a questão da suposta ameaça nuclear contra Israel vem à tona. Embora eu discorde de quase tudo que Rosenbaum diz sobre o assunto, concordo com ele em um ponto: na realidade geopolítica atual, Israel é certamente o estopim nuclear do mundo.

O livro começa com a discussão sobre um incidente curioso que ocorreu em 6 de setembro de 2007, quando foi noticiado que os bombardeiros israelenses, sem aviso, haviam atingido um alvo dentro da Síria. Dizia-se que o alvo tinha algo a ver com “armas de destruição em massa”, mas o que fez disso estranho é que nem Israel, nem a Síria estavam dispostos a reconhecer mais tarde que algo acontecera. Então, alguns dias depois, uma nova peça foi adicionada ao quebra-cabeça quando a Coréia do Norte emitiu um protesto formal contra a invasão.

O aspecto mais perturbador da história veio um mês depois, no entanto, quando o jornal britânico The Spectator publicou um artigo [4] no qual uma “fonte ministerial britânica muito antiga” foi citada como dizendo que haveria um “pânico em massa” se o mundo soubesse o quão perto nós tínhamos chegado da Terceira Guerra Mundial naquele dia. Não entraram em detalhes, mas Rosenbaum especula que o que pode ter acontecido é que os russos, os quais têm sido parceiros estratégicos da Síria, poderiam ter feito algum tipo de ameaça à Israel em resposta ao ataque, o que levou Israel a chamar amigos na Casa Branca, e por sua vez conduziu algumas palavras acaloradas entre Washington e Moscou.

Rosenbaum abrange muito esse incidente. Eu mesmo estou incerto do quão terrível a situação realmente foi naquele dia. O fato de que a história veio de uma única fonte anônima é um fator prejudicial. Além disso, eu realmente não posso imaginar que tanto Bush quanto Putin teriam sido imprudentes o suficiente para arriscar uma guerra sobre um programa de ADM Sírio – isso não parece ser uma aposta que vale a pena para ambos os lados. Por outro lado, dois dos momentos em que os EUA ea URSS quase chegaram à guerra de fato eram um resultado de ameaças nucleares feitas sobre a questão de Israel, em 1967 e novamente em 1973. E Rosenbaum observa que, de acordo com um periódico militar intitulado AirForces Monthly, o dia 06 de setembro de 2007, também passou a ser o dia em que ocorreu a maior incursão russa no espaço aéreo controlado pela OTAN nos últimos anos, envolvendo oito bombardeiros russos Tu-95 (com capacidade nuclear) no Mar de Barents, que foram interceptados por vinte caças da OTAN  que voavam cerca de 25 pés do avião russo – uma manobra altamente incomum e provocante. É certo que é uma grande coincidência. Então, talvez não seja tão absurda como eu gostaria de acreditar. Se esse é realmente o caso, então, a próxima Crise dos Mísseis de Cuba pode muito bem vir como resultado de um impasse no Oriente Médio.

Tal como foi, o incidente sírio encapsulou muitos dos elementos complexos que fatoraram na política de proliferação nuclear pós-Guerra Fria. Rosenbaum dedica um capítulo inteiro do livro a uma explicação extensa sobre o assunto, focando em uma coletiva da CIA sobre isso, em abril de 2008. Segundo eles, os EUA haviam reunido provas nos meses anteriores ao ataque de que a Síria estava trabalhando em um reator nuclear que também poderia ser usado para a fabricação de combustível nuclear enriquecido, o componente mais importante na construção de uma arma nuclear, e passou a informação para os israelenses. O envolvimento norte-coreano ocorreu porque eles estavam fornecendo combustível para o reator, que havia sido enviado para a Síria, poucas horas antes do ataque. A incursão foi lançada naquele momento, de acordo com a CIA, porque o combustível tinha sido entregue, mas ainda não havia sido carregado no reator. Síria e Israel decidiram abster-se de reconhecer publicamente o ataque para evitar uma situação em que a Síria se sentiria obrigada a retaliar, o que por sua vez levaria a um novo ciclo de violência ao longo de uma fronteira que foi mantida pacificada por mais de 30 anos – um efeito que ambas nações ansiavam prevenir. Curiosamente, a CIA negou que os EUA tivessem qualquer envolvimento além de proporcionar a inteligência. No entanto, no verão de 2008, foi revelado que os israelenses abordaram a Casa Branca, em meados de 2007, pedindo permissão para lançar o ataque, o qual foi rejeitado. Como Rosenbaum aponta, tais negações são geralmente interpretadas como sendo uma tácita luz verde, já que eles proporcionam aos EUA negações notáveis.

Portanto, temos aqui todos os elementos de um drama que vem se repetindo incessantemente desde 1981, quando um ataque aéreo israelense destruiu o reator nuclear de Saddam Hussein em Osirak: um “Estado pária” no Oriente Médio, que desenvolvia um programa de energia nuclear. O “Primeiro Mundo” inteiro tornou-se aliado de Israel, condenando-o, dizendo que o país em questão não pode ser confiável com armas nucleares (enquanto  muitos deles nutrem arsenais próprios que chegam a ser centenas ou até milhares). Em seguida, os EUA e Israel trabalharam juntos, dissimuladamente, ou não tão dissimuladamente como no Iraque, para desarmar a nação em questão a qualquer custo. Assim como um drama, está ficando chato, mas é provável que se repita mais e mais vezes, como está se repetindo agora com o Irã, até que um dos inimigos de Israel finalmente adquira um impedimento verossímel, como os soviéticos fizeram com os EUA nos primeiros anos da Guerra Fria.

O que torna a situação diferente da Guerra Fria, em primeiro lugar, é que o lócus de toda essa agitação, Israel, nunca admitiu ter quaisquer armas nucleares próprias, apesar de que evidências consideráveis foram acumuladas ao longo dos anos provando o contrário; em segundo lugar, nenhuma das nações que está em conflito tem uma arma nuclear. (Pode-se argumentar que o Paquistão é uma exceção, sendo o único país islâmico com um arsenal nuclear. Até mesmo apelidou orgulhosamente seu arsenal de  “Bomba Islâmica”. Há rumores de que Israel tentou destruir o programa nuclear do Paquistão em 1980, mas foi em vão , seja por razões políticas ou táticas. Independentemente disso, o Paquistão não tem interesse em comprar briga com Israel, desde que continue focado em sua rivalidade com a Índia, que não mostra sinais de cumplicidade. Pelo que sei, enquanto as relações são legais, nem Israel nem o Paquistão já se ameaçaram. Além disso, do ponto de vista da Europa e dos Estados Unidos, nenhum país muçulmano tem a capacidade tecnológica para transferir um dispositivo nuclear para seus territórios, mesmo que tal nação muçulmana tivesse sucesso em desenvolvê-lo. Então por que o diálogo sobre a ameaça nuclear do mundo muçulmano sempre tem um tom histérico?

Rosenbaum não aborda o assunto com essa pergunta em mente, pois, segundo ele, a paranóia é completamente justificável. Como ele escreve no livro, “Eu não acho que seja apropriado fingir ser imparcial sobre o assunto, considerando a minha ascendência judaica e de ter passado 10 anos da minha vida examinando as origens do Holocausto de Hitler.” E ele certamente não finge. Ele se descreve como “um judeu secular, liberal, não religioso, não-sionista, Americano, com nenhum membro da família imediata assassinado no Holocausto.” Seu tom é consistente com aquele dos “intervencionistas liberais”, que ganhou destaque na América no rescaldo do 9/11. Terror e Liberalismo de Paul Berman, publicado em 2003, é uma explicação dessa ideologia: estilo de liberalismo dos anos 60 no país, mas que promove agressivamente a democracia e os “direitos humanos” [5] no exterior, inclusive através de guerra preventiva – mais particularmente, claro, contra as nações que estão em oposição a Israel. A lógica é simples: a América é o melhor país do mundo, e Israel é um posto avançado solitário do estilo de democracia americano no Oriente Médio; portanto, qualquer coisa que Israel faz para proteger sua segurança é justificado, e os Estados Unidos deveriam o apoiar cegamente em todos os seus esforços.

Rosenbaum, no entanto, não tem muito a dizer aqui sobre as noções idealistas da divulgada democracia – apenas o público americano em geral necessita de tais justificativas. Sua única preocupação, tal como das autoridades israelenses, é a de manter as armas nucleares fora do alcance dos inimigos de Israel. Na opinião deles, nada se justifica para evitar que isso aconteça. Rosenbaum cita um historiador israelense, Benny Morris, que escreveu: “Mais cedo ou mais tarde [o Irã] terá armas nucleares suficientes para uma ameaça existencial, se os israelenses (ou americanos) não agirem primeiro. E como os israelenses não podem descartar a ideologia do martírio suicida abraçada a nível nacional por parte de alguns líderes iranianos, eles vão agir.” [6]

Eu nunca tive certeza absoluta do por quê de alguns líderes israelenses e americanos neoconservadores acreditarem que, se uma nação islâmica adquire uma arma nuclear, a primeira coisa que vai fazer é soltá-la em Tel Aviv, apesar do fato de que os líderes iranianos sabem sem dúvida que Israel tem a capacidade de explodí-los em pedaços (mais sobre isso depois), ou então que os americanos provavelmente fariam isso por eles (durante sua campanha presidencial de 2008, Hillary Clinton prometeu que os EUA iriam “obliterar totalmente o Irã” em caso de um ataque nuclear contra Israel, o que é provavelmente a visão predominante em Washington). Eu vejo isso como parte da tentativa sionista de convencer o mundo que os muçulmanos são inerentemente instáveis e irresponsáveis, fato que ajuda a conseguir apoio político que garanta o domínio israelense da região, como já testemunhamos na Guerra do Iraque, que foi inicialmente enquadrada como um ato de auto-defesa, para nós e para os israelenses, antes de ser reenquadrada como uma cruzada para espalhar a democracia. Talvez os sionistas realmente acreditem em sua própria retórica.

Pessoalmente, eu não acredito que o povo e o governo do Irã, ou qualquer outra nação, acolhe um complexo de martírio coletivo. Se eles conseguem adquirir armas nucleares, é mais provável que usassem-nas como um impedimento contra os invasores em potencial. De acordo com Rosenbaum, no entanto, o fracasso do mundo foi deixar Hitler ter seu discurso nas décadas de 1920 e 1930, o que levou ao Holocausto, e, portanto, Israel deve obter um passe livre para fazer o que quiser contra seus inimigos por razões que podem ser reais ou imaginadas, e, além disso, devemos sentir obrigação em ajudá-los.

Rosenbaum não cita o resto do ensaio de Benny Morris, mas vale a pena reproduzir um pouco dele aqui:

“[Ahmadinejad] está disposto a arriscar o futuro do Irã, ou até mesmo de todo o Oriente Médio muçulmano em troca da destruição de Israel. Sem dúvida, ele acredita que Alá, de alguma forma, vai proteger o Irã de uma resposta nuclear israelita ou um contra-ataque americano. Ele pode muito bem acreditar que seus mísseis vão pulverizar o Estado judeu, que não será mais capaz de responder. E, com o seu profundo desprezo pelo fraco Ocidente, é improvável que ele leve a sério a ameaça de retaliação nuclear americana. [...] Os líderes israelenses provavelmente rangeriam os dentes e esperariam que de alguma forma as coisas ficassem melhores. Talvez, depois de adquirir a bomba, os iranianos se comportariam “racionalmente”? [...] Mas os iranianos vão lançar seus foguetes. E, como ocorreu com o primeiro Holocausto, a comunidade internacional nada fará. Tudo estará acabado, para Israel, em poucos minutos.”

Esta passagem somente pode ser descrita como histérico, uma vez que não tem base na realidade. A primeira declaração falsa é que Ahmadinejad iria ordenar um ataque contra Israel. Mesmo se o Irã tivesse armas nucleares, o presidente não tem autoridade para usar a força militar –  esse poder é reservado ao Líder Supremo, atualmente o aiatolá Khamenei, que emitiu uma fatwa em 2005 afirmando que a posse e o uso de armas nucleares é contrária à lei islâmica . (Além disso, o mandado de Ahmadinejad como presidente termina em junho de 2013, e ele é inelegível para concorrer a um terceiro mandato.) É também um fato que o Irã nunca entrou em uma guerra agressiva nos tempos modernos. Então Morris tenta nos convencer de que Ahmadinejad é um louco, um truque barato geralmente usado pelos sionistas.

Então, como se isso não bastasse, ele acusa os EUA de não serem um aliado forte o suficiente de Israel (e seu ensaio foi escrito em 2007, quando Bush ainda era presidente). Como alguém poderia caluniar a boa vontade dos EUA de apoiar suas ameaças, depois de já ter derrubado três governos do Oriente Médio nos últimos anos e trabalhar ativamente contra vários outros, está além de mim. Sempre foi evidente, quando sua retórica sobre a América ser seu melhor aliado é posta de lado, que os sionistas não têm muito respeito pela América ou pelo povo americano, mas sei que eles confiam em nossos subsídios financeiros e armamentistas massivos para continuarem sobrevivendo – mas é raro que eles exponham seus sentimentos de forma evidente. Suponho que Morris espera chocar os americanos fora de sua “letargia” em relação a Israel – e, tragicamente, a maioria dos americanos, depois de décadas de condicionamento, não a verão como o insulto que realmente é, mas sentirão simpatia.

Quanto às últimas sentenças, elas são ainda um outro apelo ao fato de que deveria ser óbvio que os iranianos são naturalmente irracionais e homicidas, e outra reprimenda contra o resto do mundo por não apoiarem cegamente Israel. Tenho a certeza de que muitos americanos ao lerem sua obra apenas balançaram a cabeça para as incríveis injustiças que continuam a ser jogadas sobre os pobres e inocentes israelenses.

Mas Morris ainda não terminou. Ele também escreve:

“O vice-ministro da defesa israelense, Efraim Sneh, sugeriu que o Irã nem sequer deve utiliza a bomba para destruir Israel. A nuclearização do Irã poderá intimidar e deprimir os israelenses, que vão perder as esperanças e gradualmente emigrar, e os potenciais investidores estrangeiros e imigrantes fugirão do estado judaico mortalmente ameaçado. Mas eu tenho a impressão de que Ahmadinejad e seus aliados não têm paciência e buscam a aniquilação de Israel durante suas vidas.”

É isso mesmo – mesmo que o Irã construa uma bomba, mas não lance imediatamente um ataque suicida, o resultado final ainda será o mesmo: a destruição de Israel. A moral que devemos concluir dessa história é que ninguém no Oriente Médio pode ser confiável com armas nucleares, mesmo que elas não sejam utilizadas de verdade, além dos próprios israelenses, é claro. (Se a moral israelense é tão baixa que o simples fato do Irã possuir armas nucleares é o suficiente para fazê-los arrumar as malas e partir, então eu diria que eles já estão realizados como nação.)

Sempre que os sionistas e seus defensores querem provar que o Irã tem intenções genocidas contra Israel, eles repetem o mantra de que no “Mundo sem Sionismo”, conferência feita em Outubro de 2005, Ahmadinejad pediu para Israel ser “varrido do mapa”. Isso foi na verdade um erro de tradução perpetrado pela agência de inteligência israelense MEMRI, que existe somente para apresentar traduções altamente imprecisas e tendenciosas das declarações de líderes muçulmanos, que são então usadas para provar que o mundo quer destruí-los. Na verdade, o professor Juan Cole, da Universidade de Michigan, tem argumentado convincentemente dizendo que Ahmadinejad nunca disse isso, já que não existe expressão para “varrido do mapa” em persa. Citando Cole: “[A] citação real, que vem de um discurso antigo de Khomeini, não implica uma ação militar, ou matar alguém. [...]é apenas uma tradução inexata. A frase é praticamente metafísica. Khomeini disse que ‘o regime de ocupação sobre Jerusalém deve desaparecer das páginas do tempo.’ Isso provavelmente é uma referência a uma frase de um poema medieval persa. Não se trata de tanques .” [7]

Rosenbaum não menciona o fato de que há discordância nessas traduções. Ele as aceita pelo seu valor nominal. Simpaticamente, ele cita um jurista israelense, Justus Reid Weiner, que escreveu em 2006, “E ainda não houve nenhum esforço para julgar o incentivo contínuo ao genocídio – a um segundo Holocausto – do povo judeu. Ninguém fora de Israel, e os EUA, sugeriu que alguém da liderança iraniana, ou dos líderes do Hamas, fossem processados sob a lei internacional por incitação ao genocídio. “Aparentemente, Rosenbaum e Weiner sentem que as leis sobre os “discursos de ódio” draconianos que já estão em vigor na Europa Ocidental devem ser aplicadas globalmente, pelo menos em referência aos judeus.

O número de distorções em relação ao programa nuclear do Irã é tão grande, e também tão publicamente disponível, que é incrível para mim que mais pessoas não estejam cientes de que estão sendo enganadas. OArauto da Ciência Cristã publicou um cronograma, no ano passado, do número de vezes que tem sido afirmado que o Irã está prestes a desenvolver armas nucleares. Os governos dos EUA e da Alemanha têm feito essa reivindicação desde 1984, verifica-se. Israel, e Netanyahu , em particular, têm feito isso desde 1992. De fato, naquela ocasião, ele afirmou que o Irã estava apenas de 3 a 5 anos distante, e que seu programa devia ser “erradicado por uma frente internacional liderada pelos EUA.” [8] Dada as suas declarações durante a recente eleição presidencial, parece que ele ainda não mudou de tom. E Rosenbaum ainda procura nos lembrar em seu livro, “Há poucas pessoas no planeta que sinceramente não acreditam que o Irã está buscando a capacidade de produzir armas nucleares. Os homens tribais da idade da pedra na Papua Nova Guiné, por exemplo, talvez sejam felicitados por desconhecerem essa possibilidade.” Quando a lógica falhar, os apelos emocionais para a suposta obviedade do assunto são o último refúgio de um debatedor que percebe que falhou em argumentar o seu caso.

Ele também não hesita em se engajar na ficção para persuadir o leitor. Ele especula sobre qual seria o resultado de um ataque americano às instalações nucleares iranianas. “O Irã retaliaria, no Golfo Pérsico, atirando em porta-aviões americanos e navios de guerra com mísseis chineses Silkworm, obliterando a navegação no Estreito de Ormuz, destruindo as refinarias de petróleo da  Arábia Saudita e com elas muito das fontes de energia ocidental, e para não mencionar – dependendo, no período de tempo – o envio de um míssil balístico Shehab-3 em direção a Israel, Europa Ocidental, e ao Hemisfério Ocidental como um todo.”  Não sou nenhum especialista no assunto – seu cenário para o Oriente Médio poderia muito bem ser exato, mas o que me chamou a atenção foi sua declaração de que os iranianos poderiam lançar mísseis nem direção aos EUA, considerando que os iranianos não possuem nada semelhante a um Míssil Balístico Intercontinental (ICBM) até o momento. O Shehab-3 que ele especificamente menciona, tem um alcance máximo de 1.200 milhas (e alguns especialistas afirmam que pode ser um exagero) – apenas o suficiente para atingir Israel, mas longe, muito longe da Europa ou da América do Norte. Mas ainda assim, um leitor que não se preocupa em acompanhar isso, de longe acredita que o Irã tem a capacidade de atacar os EUA em seu próprio território, o que simplesmente não é verdade e é improvável que se torne verdade em breve.

A única coisa que realmente irrita Rosenbaum, no entanto, é o fato de que a Estimativa de Inteligência Nacional dos EUA, em 2007, afirmou que o Irã interrompeu seu trabalho sobre armas nucleares em 2003. Segundo ele, isso foi completamente impreciso. Rosenbaum cita alguns membros da comunidade de inteligência que, posteriormente, disseram que isso estava apenas relacionado ao design de ogivas, mas que o empenho do Irã para desenvolver o enriquecimento de combustível nuclear e mísseis de alcance mais longo continuam. Isso é interessante, mas ainda parece difícil imaginar como o Irã realizará seu sonho de supostamente acabar com Israel sem uma ogiva funcional.

Notas

4. James Forsyth e Douglas David, “Nós chegamos muito perto da Terceira Guerra Mundial naquele dia,” em The Spectator (03 de Outubro de 2007), disponível em www.spectator.co.uk/features/222736/we-came-so-close-to-world-war-three-that-day/ [3].

5. Essa ideologia foi criticada nas duas publicações recentes de “Nova Direita” da Arktos , Além dos Direitos Humanos por Alain de Benoist (2011) e Lutando pela Essência de Pierre Krebs(2012).

6. Benny Morris, “O Segundo Holocausto,” em The New York Sun (22 de Janeiro de 2007), disponível emhttp://www.nysun.com/opinion/second-holocaust/47111/ [4].

7. Juan Cole, “Hitchens o Hacker; e Hitchens o Orientalista E, ‘Nós Não Queremos Sua Guerra Fedorenta! ’”, em Informed Comment (03 de Maio de 2006), disponível em http://www.juancole.com/2006/05/hitchens-hacker-and-hitchens.html [5].

8. Scott Peterson, “Ameaça Nuclear Iminente no Irã? Um Cronograma de Advertências Desde 1979,” O Arauto da Ciência Cristã (08 de Novembro de 2011), disponível em www.csmonitor.com/World/Middle-East/2011/1108/Imminent-Iran-nuclear-threat-A-timeline-of-warnings-since-1979/Israel-paints-Iran-as-Enemy-No.-1-1992 [6].

Source: http://legio-victrix.blogspot.com/2012/12/a-politica-da-guerra-nuclear.html [7]

 


Article printed from Counter-Currents Publishing: http://www.counter-currents.com

URL to article: http://www.counter-currents.com/2012/12/a-politica-da-guerra-nuclear-parte-2/

URLs in this post:

[1] Image: http://www.counter-currents.com/wp-content/uploads/2012/11/superkoshersausages.jpg

[2] aqui: http://www.counter-currents.com/2012/11/the-politics-of-nuclear-war-part-2/

[3] www.spectator.co.uk/features/222736/we-came-so-close-to-world-war-three-that-day/: http://www.spectator.co.uk/features/222736/we-came-so-close-to-world-war-three-that-day/

[4] http://www.nysun.com/opinion/second-holocaust/47111/: http://www.nysun.com/opinion/second-holocaust/47111/

[5] http://www.juancole.com/2006/05/hitchens-hacker-and-hitchens.html: http://www.juancole.com/2006/05/hitchens-hacker-and-hitchens.html

[6] www.csmonitor.com/World/Middle-East/2011/1108/Imminent-Iran-nuclear-threat-A-timeline-of-warnings-since-1979/Israel-paints-Iran-as-Enemy-No.-1-1992: http://www.counter-currents.com/2012/11/the-politics-of-nuclear-war-part-2/www.csmonitor.com/World/Middle-East/2011/1108/Imminent-Iran-nuclear-threat-A-timeline-of-warnings-since-1979/Israel-paints-Iran-as-Enemy-No.-1-1992

[7] http://legio-victrix.blogspot.com/2012/12/a-politica-da-guerra-nuclear.html: http://legio-victrix.blogspot.com/2012/12/a-politica-da-guerra-nuclear.html

Copyright © 2011 Counter-Currents Publishing. All rights reserved.