Print this post Print this post

Em Defesa do Mal Gosto

Angelina Jolie, apotheosis by race-betrayal

Angelina Jolie, apotheosis by race-betrayal

1,676 words

English original here

A fundamental falta de gosto da mulher é o fato ao qual eu atribuí os dois mitos de Pandora e Eva, nos quaias a mulher é representada como sendo a causa da queda do homem, e da introdução do mal na terra. Eu demonstrei esse mal gosto fundamental apontando para a inabilidade da mulher em selecionar e reconhecer os melhores homens e sua preferência geral por homens inferiores, a razão dessa preferência sendo a maior facilidade com a qual estes últimos são controlados e tornados amenos frente ao amor das mulheres por poder mesquinho.

Eu também demonstrei que esse mal gosto está enraizado na atitude da mãe em relação a sua cria, que, consistindo basicamente em um prazer no exercício do poder mesquinho sobre uma criatura indefesa, faz com que a mulher não apenas prefira o bebê em relação à criança crescida mas também frequentemente prefere a criança deficiente ou fisiologicamente estragada em relação à forte e sadia, por causa da impotência mais permanente dos primeiros. Eu também demonstrei como as mulheres preferem cães pequenos em relação a cães grandes pela mesma razão, e lembrei o leitor que os romanos sabiamente deixavam para o pai a decisão sobre quais de seus filhos deveriam sobreviver e quais deveriam ser suprimidos, porque eles sabiam que as mulheres, não tendo gosto e sendo guiadas apenas por aquilo que mais gratifica seu desejo por poder mesquinho, não poderiam ser confiadas a tomar uma decisão sábia.

Eu também atribuí à prevalência e ascendência das opiniões e sentimentos das mulheres atualmente o fato de que o mundo está se tornando tão feio e degenerado (fisicamente), pois apenas se assumirmos a atitude feminina de carinho irracional por aleijados e fisiologicamente estragados podemos considerá-las com algo mais que desprezo e impaciência.

O que eu não fiz foi demonstrar a ligação entre o mal gosto, ou falta de gosto, fundamental da mulher, com o princípio vital inato a ela, e isso eu farei agora. Isso, porém, não provar-se-á difícil, pois consiste simplesmente em enfatizar a profunda semelhança da mulher com a Natureza em buscar cegamente a vida e sua multiplicação a qualquer custo.

Se pensarmos na situação imensamente precária do recém-nascido ou do animal, sua falta de qualquer meio de protação, de mobilidade e sua incapacidade de buscar alimento independentemente, sua falta de calor e frequentemente até do equipamento para preservar calor (roupa no infante humano, e pêlo e penas no animal jovem e no pássaro respectivamente), nós percebemos imediatamente a imensa importância para a espécie de um instinto mater que faz da provisão de todas essas deficiências uma alegria, uma necessidade apaixonada, em verdade um prazer pelo qual vale a pena lutar.

Se a criatura recém-nascida deve ser preservada e a espécie deve sobreviver, não deve haver qualquer brecha, qualquer fenda ou rachadura concebível, na armadura do instinto natural através da qual qualquer dúvida, qualquer hesitação, possa penetrar em relação à urgência imediata e desejabilidade de prestar socorro. O momento na vida da jovem criatura é muito crítico, a situação é muito precária. Aqui temos a impotência lastimável, a dependência patética, a vulnerabilidade exterma. O futuro da espécie depende dessas qualidades não confiáveis serem tornadas confiáveis pela única criatura nos arredores da criatura jovem que, estando necessariamente presente em seu nascimento, está em uma posição de oferecer os primeiros socorros.

Se então houvesse qualquer desculpa ou pretexto para indecisão, qualquer reclamação sobre a questão da desejabilidade, o “melhor da linhagem”, o “mais promissor da ninhada”, etc., o próprio futuro da vida estaria na balança, o precioso instinto que garante a segurança e a sobrevivência da criatura jovem seria minado ou pelo menos não impeliria irrefletidamente para fazer a coisa certa do jeito certo.

Deve haver um impulso irracional e acrítico para socorrer, para aquecer, para proteger e para alimentar, senão a celeridade, a precisão e a disposição com as quais essas funções devem ser realizadas seriam fatalmente prejudicadas, desastrosamente dificultadas. Que a luta pela existência seja cada vez mais severa subsequentemente, uma coisa deve permanecer garantida e inviolável, e esta é que o instinto materno não deve ter qualquer desculpa para falhar, ele não devem mesmo ser capaz de pausar para questionar, para eleger ou escolher. O discernimento nesse momento tornaria a sobrevivência duvidosa, mas não pode haver, não deve haver, qualquer dúvida.

Além disso, se a evolução orgânica é verdadeira, ela depende da operação de três fatores: (1) a sobrevivência dos mais aptos através da ação da (2) seleção natural, com (3) o aparecimento ocasional de variações de tipo.

Agora, se a fêmea da espécie tiver que exercer discernimento antes de socorrer sua cria, se suas ações tiverem que ser deliberativas e não impulsivas, o que ocorre com essas variações que, quando afortunadas, levam a um novo desenvolvimento da espécie ou efetivamente a uma nova variedade de espécie? Variações afortunadas são tão incomuns quanto variações desafortunadas. Mas se o instinto feminino é preservar a vida, ela preservará uma tão apaixonadamente quanto a outra. A discriminação provar-se-ia fatal para ambas. O próprio processo de evolução orgânica, se for um fato, depende portanto da falta de discriminação no instinto materno, e a hipótese da evolução orgânica certamente a assume.

O instinto na fêmea de socorrer a vida jovem de qualquer tipo, portanto, é útil ao esquema da Natureza. É um fator indispensável no plano da Natureza. Nos animais inferiores ele é demonstrado pela facilidade com a qual pode-se fazer da fêmea de uma espécie agir como mãe adotiva à cria de uma outra. Livros de história natural mencionam muitos desses casos: gatas que criaram lebres e esquilos, galinhas que criaram patos, e as instâncias naturais clássicas de pássaros como o caminheiro, a alvéola, etc., criando filhote do cuco. Este, é claro, é um abuso parasitário na Natureza do instinto feminino indiscriminado de socorro, mas não obstante é um excelente exemplo do fato que eu tenho tentado estabelecer.

É verdade que na espécie humana essa falta de discriminação na fêmea opera como preservadora tanto de variedades desejáveis como indesejáveis, mas como em todas as civilizações modernas o pai não tem mais permissão, como ele tinha nas antigas Esparta ou Roma, de subjugar a falta de gosto da fêmea nessa questão, e variações indesejáveis são mais comuns do que os gênios, segue-se que o ponto-de-vista feminino, agora que ele é apoiado pelo Estado e pela opinião pública, deve levar à sobrevivência de um vasto número de seres humanos indesejáveis em nosso meio.

Assim, apesar de o instinto humano feminino ser visto como vital, e ainda que sua falta de gosto deva ser considerada como parte do esquema geral da vida, ele deve tender atualmente a uma enorme quantia de degeneração.

Este, porém, não é precisamente nosso ponto. Os fatos que queremos estabelecer são, em primeiro lugar, que no papel feminino de mãe o instinto cedo de socorrer, de proteger e de preservar a criatura indefesa que ela carrega é de vital importância para a raça; e, em segundo lugar, que este instinto cego necessariamente envolve uma incorrigível e enraizada falta de gosto.

O fato de que subsequentemente – quer dizer, quando a cria indesejável, seja ela deficiente, cretina ou idiota, crescer – ela é frequentemente amada pela mãe mais do que todos os seus filhos sadios não é mais que uma confirmação do que eu estou tentando afirmar, pois demonstra que aquilo que agrada à mãe verdadeira, e que segundo todo nosso argumento deve agradar, não é a excelência particular de um certo filho, nem sua reivindicação a qualquer forma particular de desejabilidade, mas simplesmente sua impotência.

E já que no deficiente, no cretino e no idiota a impotência é prolongada a uma idade bem mais avançada do que na criança sadia, é aos primeiros que a maternidade insofisticada e simplória naturalmente se inclina.

As consequências dessa fundamental e vital falta de gosto nas mulheres é, evidentemente, considerável.

Quando nós lemos no Livro das Leis de Manu que “as mulheres não se importam com a Beleza”, quando Lombroso e Ferrero, discutindo o gosto feminino, afirma que “em geral, a beleza e a inteligência as deixam indiferentes”, e quando nós encontramos Rousseau dizendo que “as mulheres em geral não gostam ou apreciar a arte”, nós nos sentimos inclinados a levantar objeções, porque nós sabemos de instâncias individuais de mulheres que demonstraram um destacado senso de beleza.

Nem Lombroso, Manu, ou Rousseau nos dizem, porém, que suas respectivas afirmações apenas referem-se a manifestações específicas e superficiais de uma lei profunda e inalterável. Uma vez que percebamos esta lei, nós vemos que estes homens devem estar certos; não, porém, porque mulheres individuais demonstram uma indiferença em relação à beleza, mas porque o sexo como um todo não possui gosto, e que, onde quer que o discernimento pela beleza seja pronunciado em uma mulher, ela ou diverge do tipo ou passou por uma influência educacional especial.

Nós somos mais aptos a compreender agora o motivo pelo qual as formas de arte foram todas elas invenções masculinas, ainda que elas algumas vezes tenham sido bem imitadas por mulheres, e o motivo pelo qual as roupas, mesmo aquelas que enchem os guardarroupas de mulheres, são todas derivadas de algum centro masculino de design em Londres ou Paris. Nós também podemos ver o motivo pelo qual as mulheres são sempre tão tendentes a selecionar e se associar com os piores e menos promissores tipos de homens, o motivo pelo qual elas não possuem faro no que concerne a homens (exceto no aspecto sexual e mesmo nesse caso ele não é de modo algum infalível), e o motivo pelo qual nem mesmo seu paladar e seu estômago alguma vez as ajudou a desenvolver a arte culinária, quando elas sempre a tiveram inteiramente em suas mãos. Mas lembremos novamente que nós não podemos ter tudo, e que se nós acabássemos com a falta de gosto nas mulheres por meio da educação, nós estaríamos enfraqueccendo um dos instintos femininos mais valiosos e fundamentais, cujas consequências apenas nós podemos ter esperança de corrigir, sem tentar eliminar sua causa.

Source: http://legio-victrix.blogspot.com/2011/12/em-defesa-do-mal-gosto.html

 

If you enjoyed this piece, and wish to encourage more like it, give a tip through Paypal. You can earmark your tip directly to the author or translator, or you can put it in a general fund. (Be sure to specify which in the "Add special instructions to seller" box at Paypal.)
This entry was posted in North American New Right and tagged , , , , , , , . Both comments and trackbacks are currently closed.
    Kindle Subscription
  • EXSURGO Apparel

    Our Titles

    Confessions of a Reluctant Hater (2nd ed.)

    The Hypocrisies of Heaven

    Waking Up from the American Dream

    Green Nazis in Space!

    Truth, Justice, and a Nice White Country

    Heidegger in Chicago

    The End of an Era

    Sexual Utopia in Power

    What is a Rune? & Other Essays

    Son of Trevor Lynch's White Nationalist Guide to the Movies

    The Lightning & the Sun

    The Eldritch Evola

    Western Civilization Bites Back

    New Right vs. Old Right

    Lost Violent Souls

    Journey Late at Night: Poems and Translations

    The Non-Hindu Indians & Indian Unity

    Baader Meinhof ceramic pistol, Charles Kraaft 2013

    Jonathan Bowden as Dirty Harry

    The Lost Philosopher, Second Expanded Edition

    Trevor Lynch's A White Nationalist Guide to the Movies

    And Time Rolls On

    The Homo & the Negro

    Artists of the Right

    North American New Right, Vol. 1

    Forever and Ever

    Some Thoughts on Hitler

    Tikkun Olam and Other Poems

    Under the Nihil

    Summoning the Gods

    Hold Back This Day

    The Columbine Pilgrim

    Confessions of a Reluctant Hater

    Taking Our Own Side

    Toward the White Republic

    Distributed Titles

    Tyr, Vol. 4

    Reuben

    The Node

    Axe

    Carl Schmitt Today

    A Sky Without Eagles

    The Way of Men

    Generation Identity

    Nietzsche's Coming God

    The Conservative

    The New Austerities

    Convergence of Catastrophes

    Demon

    Proofs of a Conspiracy

    Fascism viewed from the Right

    Notes on the Third Reich

    Morning Crafts

    New Culture, New Right

    The Fourth Political Theory

    Can Life Prevail?

    The Metaphysics of War

    Fighting for the Essence

    The Arctic Home in the Vedas

    Asatru: A Native European Spirituality

    The Shock of History

    The Prison Notes

    Sex and Deviance

    Standardbearers

    On the Brink of the Abyss

    Beyond Human Rights

    A Handbook of Traditional Living

    Why We Fight

    The Problem of Democracy

    Archeofuturism

    The Path of Cinnabar

    Tyr

    The Lost Philosopher

    Impeachment of Man

    Gold in the Furnace

    Defiance

    The Passing of a Profit & Other Forgotten Stories

    Revolution from Above