Print this post Print this post

Declínio e Queda de Muammar el-Qaddafi

747 words

English original here

O Coronel Muammar el-Qaddafi governou a Líbia por 42 anos. Ele chegou ao poder em um golpe militar contra o rei líbio Idris, que era basicamente o sátrapa do capital internacional, garantindo que a exploração dos recursos petrolíferos do país beneficiasse companhias estrangeiras e a si mesmo, mas não o povo líbio.

Qaddafi obrigou as companhias de petróleo a partilhar sua riqueza com o povo líbio. Ele financiou escolas, clínicas e infraestrutura. Alfabetização, saúde e expectativa de vida dispararam. Mas ele não queria que os líbios tornassem-se preguiçosos e corruptos como os cidadãos dos ricos Estados do Golfo Persa. Ele constantemente lembrou os líbios de que o petróleo acabaria um dia e que eles teriam que trabalhar para tornarem-se autosuficientes.

Qaddafi parece doido para a maioria dos ocidentais, mas sua filosofia e prática políticas foram, na verdade, bastante consistentes: ele rejeitava a modernidade homogeneizadora. Ele via tanto o capitalismo e o comunismo como essencialmente a mesma coisa em seu materialismo, globalismo, e nivelamento. Ele advocava uma terceira via na qual formas tradicionais de vida, que são inerradicavelmente plurais e particulares, poderiam seletivamente abraçar a modernidade. Ele financiou grupos de liberação nacional tais como o PLO e o IRA. Ele apoiava movimentos antiglobalização e líderes como Hugo Chavez. Ele gostava de botar o dedo na cara dos Estados Unidos. Após a queda da URSS, ele fez tudo que podia para frustrar a emergência de uma pax Americana completamente unipolar. Ele era tão nacionalista quanto qualquer líder poderia ser quando amarrado a uma religião universalista.

Qaddafi cometeu muitos crimes. Ele permitiu-se muitas tolices. Ele tinha péssimo gosto.

Mas talvez a Líbia estivesse em paz e não em ruínas, e talvez Qaddafi estivesse vivo e liderando hoje, se ele não tivesse cometido um único erro fatal: ele decidiu brincar de adoletá com os EUA. Após 11 de Setembro, ele partilhou informações sobre a Al Qaeda com os Estados Unidos. Ele concordou em abandonar as pesquisas de armas nucleares, apesar de uma dissuasão nuclear ser o único modo de um país manter sua independência no mundo de hoje. Ele torturou muçulmanos no lugar dos Estados Unidos e do Reino Unido para que eles pudessem, com típica hipocrisia anglo-talmúdica, manter suas pretensões de legalidade.

Ele referia-se a Condoleeza Rice como “Leeza, Leeza, Leeza”, e jurou que “amava-a” como se ele fosse um cabelereiro deslumbrado, e não um Chefe de Estado sério. Talvez ele estivesse ensaiando para o Inside Edition. Até onde eu sei, ele nunca foi apresentador do Saturday Night Live ou apareceu na Oprah.

Ao longo da maior parte de seu governo, Qaddafi foi tanto amado quanto temido. Ele foi amado porque ele melhorou o bem-estar de seu povo e por causa de seu carisma cada vez mais excêntrico. Ele foi temido porque ele era duro com seus inimigos. Mas pode-se continuar no poder enquanto temido. Na verdade, isso ajuda. Não pode-se, porém, governar quando é-se desprezado. E ao curvar-se à América, Qaddafi fez de si mesmo desprezível aos olhos do povo.

Tornar-se uma prostituta dos EUA poderia ter compensando Qaddafi pela perda da estima de seu povo se tivesse garantido-lhe um amigo fiel e estável aliado. Mas a América é incapaz desse tipo de amizade. Todas as alianças são, obviamente, condicionais em servir ao interesse de todas as partes. Mas a América é dada a crises infantis de entusiasmo moralista que ignoram considerações dos interesses nacionais. Os líderes americanos realmente acreditam nas próprias baboseiras.

Então quando o mundo árabe estava todo em polvorosa a respeito de “democracia” e “mudança” e derrubar “ditadores”, todos os cálculos de interesse nacional, todo realismo sobre perspectivas de democracia nos países árabes, até mesmo o supremo bem (ou seja, os interesses de Israel) foram arremessados pela janela. Qaddafi tinha que ir, sob uma barragem de pietismos liberais e bombas.

Eu não sei se Qaddafi chegou a arrepender-se de sua abertura ao “Ocidente”, mas seu desafio até o fim quase redimiu-o aos meus olhos.

As lições devem ser claras para os outros governantes árabes que estão sendo alvejados pelas mesmas forças: pode-se ser temido e odiado, mas não pode-se nunca arriscar a tornar-se desprezível aos olhos do próprio povo buscando a amizado dos Estados Unidos. Os Estados Unidos, ademais, são um amigo volúvel e inútil, indigno de trair o próprio povo para ser cortejado. O único caminho para a segurança no mundo é o da Coréia do Norte e do Irã. Uma dissuasão nuclear é a única garantia de soberania que resta nesse planeta.

Source: http://legio-victrix.blogspot.com/2011/10/declinio-e-queda-de-muammar-el-qaddafi.html

Related

If you enjoyed this piece, and wish to encourage more like it, give a tip through Paypal. You can earmark your tip directly to the author or translator, or you can put it in a general fund. (Be sure to specify which in the "Add special instructions to seller" box at Paypal.)
This entry was posted in North American New Right and tagged , , , , , , , . Both comments and trackbacks are currently closed.
    Kindle Subscription
  • EXSURGO Apparel

    Our Titles

    The Importance of James Bond

    In Defense of Prejudice

    Confessions of a Reluctant Hater (2nd ed.)

    The Hypocrisies of Heaven

    Waking Up from the American Dream

    Green Nazis in Space!

    Truth, Justice, and a Nice White Country

    Heidegger in Chicago

    The End of an Era

    Sexual Utopia in Power

    What is a Rune? & Other Essays

    Son of Trevor Lynch's White Nationalist Guide to the Movies

    The Lightning & the Sun

    The Eldritch Evola

    Western Civilization Bites Back

    New Right vs. Old Right

    Lost Violent Souls

    Journey Late at Night: Poems and Translations

    The Non-Hindu Indians & Indian Unity

    Baader Meinhof ceramic pistol, Charles Kraaft 2013

    Jonathan Bowden as Dirty Harry

    The Lost Philosopher, Second Expanded Edition

    Trevor Lynch's A White Nationalist Guide to the Movies

    And Time Rolls On

    The Homo & the Negro

    Artists of the Right

    North American New Right, Vol. 1

    Forever and Ever

    Some Thoughts on Hitler

    Tikkun Olam and Other Poems

    Under the Nihil

    Summoning the Gods

    Hold Back This Day

    The Columbine Pilgrim

    Confessions of a Reluctant Hater

    Taking Our Own Side

    Toward the White Republic

    Distributed Titles

    Tyr, Vol. 4

    Reuben

    The Node

    Axe

    Carl Schmitt Today

    A Sky Without Eagles

    The Way of Men

    Generation Identity

    Nietzsche's Coming God

    The Conservative

    The New Austerities

    Convergence of Catastrophes

    Demon

    Proofs of a Conspiracy

    Fascism viewed from the Right

    Notes on the Third Reich

    Morning Crafts

    New Culture, New Right

    The Fourth Political Theory

    Can Life Prevail?

    The Metaphysics of War

    Fighting for the Essence

    The Arctic Home in the Vedas

    Asatru: A Native European Spirituality

    The Shock of History

    The Prison Notes

    Sex and Deviance

    Standardbearers

    On the Brink of the Abyss

    Beyond Human Rights

    A Handbook of Traditional Living

    Why We Fight

    The Problem of Democracy

    Archeofuturism

    The Path of Cinnabar

    Tyr

    The Lost Philosopher

    Impeachment of Man

    Gold in the Furnace

    Defiance

    The Passing of a Profit & Other Forgotten Stories

    Revolution from Above